Quem sou eu

Minha foto
advogado, sindicalista, locutor...

sexta-feira, 6 de maio de 2011

André participa das homenagens aos Expedicionários





André participa das comemorações aos Expedicionários

Pela segunda vez o vereador André Luiz (PCdoB) participou da solenidade comemorativa ao 08 de maio, Dia do Expedicionário. Esse ano a celebração foi adiantada para esta sexta-feira (06/05).

A data registra uma homenagem aos integrantes da Força Expedicionária Brasileira (FEB) , que lutaram na Itália, notadamente na tomada de Monte Castelo, em fevereiro de 1945, durante a Segunda Guerra Mundial.

A FEB foi a força militar brasileira de 25.334 homens. Inicialmente era constituída por uma divisão de infantaria e acabou por abranger todas as forças militares brasileiras que participaram do conflito. Seu lema “A cobra está fumando”, era uma alusão a um discurso de Getúlio Vargas, que em 1940 afirmou ser “mais fácil uma cobra fumar do que o Brasil entrar na guerra”.

Durante a solenidade foram prestadas homenagens aos familiares dos expedicionários, autoridades militares e civis que colaboraram com a Associação dos Ex-Combatentes. Foram depositadas flores no monumento aos pracinhas falecidos. Um dos momentos mais emocionantes foi entoada a Canção dos Expedicionários pela Banda da Polícia Militar e os soldados da 5ª. CSM e Tiro de Guerra 02-031.

Canção dos Expedicionários

Letra: Guilherme de Almeida
Música: Spartaco Rossi

Você sabe de onde eu venho?
Venho do morro, do Engenho,
Das selvas, dos cafezais,
Da boa terra do coco,
Da choupana onde um é pouco,
Dois é bom, três é demais,
Venho das praias sedosas,
Das montanhas alterosas,
Dos pampas, do seringal,
Das margens crespas dos rios,
Dos verdes mares bravios
Da minha terra natal.

Por mais terras que eu percorra,
Não permita Deus que eu morra
Sem que volte para lá;
Sem que leve por divisa
Esse "V" que simboliza
A vitória que virá:
Nossa vitória final,
Que é a mira do meu fuzil,
A ração do meu bornal,
A água do meu cantil,
As asas do meu ideal,
A glória do meu Brasil.

Eu venho da minha terra,
Da casa branca da serra
E do luar do meu sertão;
Venho da minha Maria
Cujo nome principia
Na palma da minha mão,
Braços mornos de Moema,
Lábios de mel de Iracema
Estendidos para mim.
Ó minha terra querida
Da Senhora Aparecida
E do Senhor do Bonfim!

Por mais terras que eu percorra,
Não permita Deus que eu morra
Sem que volte para lá;
Sem que leve por divisa
Esse "V" que simboliza
A vitória que virá:
Nossa vitória final,
Que é a mira do meu fuzil,
A ração do meu bornal,
A água do meu cantil,
As asas do meu ideal,
A glória do meu Brasil.

Você sabe de onde eu venho?
É de uma Pátria que eu tenho
No bôjo do meu violão;
Que de viver em meu peito
Foi até tomando jeito
De um enorme coração.
Deixei lá trás meu terreno,
Meu limão, meu limoeiro,
Meu pé de jacarandá,
Minha casa pequenina
Lá no alto da colina,
Onde canta o sabiá.

Por mais terras que eu percorra,
Não permita Deus que eu morra
Sem que volte para lá;
Sem que leve por divisa
Esse "V" que simboliza
A vitória que virá:
Nossa vitória final,
Que é a mira do meu fuzil,
A ração do meu bornal,
A água do meu cantil,
As asas do meu ideal,
A glória do meu Brasil.

Venho do além desse monte
Que ainda azula o horizonte,
Onde o nosso amor nasceu;
Do rancho que tinha ao lado
Um coqueiro que, coitado,
De saudade já morreu.
Venho do verde mais belo,
Do mais dourado amarelo,
Do azul mais cheio de luz,
Cheio de estrelas prateadas
Que se ajoelham deslumbradas,
Fazendo o sinal da Cruz!

Por mais terras que eu percorra,
Não permita Deus que eu morra
Sem que volte para lá;
Sem que leve por divisa
Esse "V" que simboliza
A vitória que virá:
Nossa vitória final,
Que é a mira do meu fuzil,
A ração do meu bornal,
A água do meu cantil,
As asas do meu ideal,
A glória do meu Brasil.

Um comentário:

  1. André, tudo bem?
    Sou militar do Tiro de Guerra este ano e nesta oportunidade fui o Porta-Bandeira da Cerimonia. Gostaria de saber se tens mais imagens deste dia, pois nao tenho nenhum registro. Se tiveres, pode postá-las?
    Obrigado.

    ResponderExcluir