Quem sou eu

Minha foto
advogado, sindicalista, locutor...

domingo, 22 de setembro de 2013

Artigo Jornal Tribuna - 22.09.13

Capoeira, ferramenta de educação e cidadania

Educação, Esporte, Cultura e Inclusão são itens importantes para o desenvolvimento de um país. Nos últimos anos, os governos destinam considerável parte de seu orçamento para o primeiro, enquanto os demais geralmente recebem as menores dotações nas rubricas financeiras.
Em um mundo que valoriza o individualismo e com crescente globalização impositiva de uma cultura hegemônica se faz necessário a busca de alternativas que valorizem as referências nacionais. Para as novas gerações mais sedentárias e sem vínculos, especialmente culturais, uma pergunta é recorrente. Qual atividade física consegue reunir dança, música, jogo e luta? A resposta é simples. A capoeira!
Presente em mais de 130 países e já começando a receber o status de patrimônio cultural da humanidade, por aqui, no seu nascedouro, a Capoeira sempre foi marginalizada embora em algumas regiões brasileiras seja a única referência positiva da história do povo negro e somente agora com a implementação da Lei nº 10.639/2003, passa a ser valorizada em seu aspecto histórico de lutas pela emancipação e, também reconhecida como ferramenta educativa em ambientes formais e não formais.
Nossa região possui algumas iniciativas, recentemente conheci o Projeto EduCapoeira na cidade de Orlândia onde uma parceria da Secretaria Municipal de Esportes com o Grupo de Capoeira Terra Preta atende dezenas de crianças. As mães são unânimes ao relatarem os benefícios que a atividade trouxe para a vida de seus filhos.
Isto confirma que a capoeira colabora de modo destacado no processo de educação, conscientização e cidadania, também é fundamental para o resgate da identidade cultural e social brasileira possibilitando o contato com nossas raízes e nossa verdadeira história.
Nova pergunta pode surgir. Se a causa é tão importante, porque as ações políticas são tão reduzidas? Várias poderiam ser as respostas, entre elas o racismo institucional ou o conhecimento limitado e envolto em preconceitos e esteriótipos de gestores e até profissionais da educação que resistem em aderir às políticas públicas de inclusão. Certamente, são alguns dos dificultadores para a adesão a projetos e programas que surgem nas mais diversas localidades. A sensibilização dos mesmos é um dos maiores desafios que se apresentam.
Apesar das várias correntes, os mestres, contramestres, professores e capoeiristas em geral sempre demonstram a capacidade de união e luta na missão de manter uma tradição fundamentada basicamente na ancestralidade e oralidade e prometem continuar empenhados na resistência.
Em uma sociedade desesperada por conhecer valores realmente edificantes, creio ser importante destacar uma manifestação sobre a capoeira, feita por Vicente Ferreira Pastinha, o mestre Pastinha que nos ensina aqui os homens aprendem a ser leais e justos”. Lealdade e justiça são duas qualidades que todos nós deveríamos perseguir e que são fundamentais para a construção de uma sociedade melhor

quinta-feira, 19 de setembro de 2013


André defende capoeira como ferramenta
de educação e inclusão social


O vereador André acompanhou o 6º Festival e 26º Batizado e troca de Cordões de Capoeira realizado em 14/09 na cidade de Orlândia onde uma parceria da Secretaria Municipal de Esportes com o Grupo de Capoeira Terra Preta, possibilitou a realização de curso, oficina de Capoeira Ângola e aula aberta.
O parlamentar dialogou com alguns dos mestres, contramestres, professores e capoeiristas de 25 cidades dos estados de
São Paulo, Minas Gerais e Bahia que prestigiaram o evento. Além de destacar a importância da união entre os vários grupos para a garantia da preservação da cultura e tradição, André enfatizou que: “A Capoeira materializa o espírito de lutas pela emancipação negra, sendo uma manifestação cultural libertária e poderosa ferramenta educativa e de inclusão social”. André ouviu o relato de várias mães que possuem filhos matriculados no projeto EduCapoeira que relataram a satisfação com os avanços dos filhos.
Ao parabenizar o mestre Pim e o contramestre Toinzinho, responsáveis pelo projeto o vereador lembrou que Ribeirão Preto possuiu grande tradição na capoeira, contando com vários mestres, contra mestres e professores que precisam de maior valorização e que o município deve envidar esforços para ampliação do ensino da capoeira nas escolas, núcleos sociais e demais espaços institucionais.

sexta-feira, 13 de setembro de 2013

André defende o Vale-Cultura para todos

O Governo Federal criou o Vale-Cultura, um benefício que pode chegar à mão de 42 milhões de trabalhadores brasileiros. O cartão magnético pré-pago, válido em todo território nacional, no valor de 50 reais mensais, vai possibilitar ao trabalhador de carteira assinada ir ao teatro, cinema, museus, espetáculos, shows, circo ou mesmo comprar ou alugar CDs, DVDs, livros, revistas e jornais. Por ser acumulativo o crédito também pode ser usado para aquisição de bens culturais de valores mais elevados. No último dia 09/09, o vereador André manteve contato com representantes da Associação Comercial e Industrial e do Sindicato do Comércio Varejista de Ribeirão Preto, também oficiou ao Sindicato dos Contabilistas de Ribeirão Preto e região e à Associação dos Escritórios Contábeis para que divulguem o programa para todos os empresários locais já que o benefício exige a adesão das empresas. São elas que vão oferecer o Vale-Cultura aos seus empregados. Para estimular essa adesão, o Governo Federal vai permitir que a empresa de lucro real abata a despesa no imposto de renda em até 1% do imposto devido. As baseadas no lucro presumido ou Simples também podem participar. “O programa poderá incrementar todo o movimento cultural da cidade e proporcionar uma oportunidade impar de acesso à cultura pela classe trabalhadora”, disse o vereador. André ressalta a necessidade de empenho da administração municipal e de todos os envolvidos com a cultura na sensibilização dos empregadores para que a adesão ao programa seja maciça.
Na foto O vereador André com Lourival Falaguasta Junior( Vavá) da ACI

André participou da solenidade de abertura do Mês do Idoso que continua com várias atividades promovidas pela Prefeitura Departamento de Proteção Social Especial

Dia 12/09 – 14 horas – Visita à Casa do Vovô Albano. Dia 15/09 – 8 horas – Missa e Confraternização no Lar Padre Euclides. Dia 16/09 – 14 horas – Cinema no Cineclube Cauim. Dia 17/09 – 14 horas – Oficina de Artesanato com o Grupo da Terceira Idade do Sassom – Centro Cultural Palace. Dia 18/09 – 14 horas – Visita ao Lar dos Velhos da Igreja Presbiteriana. 19/09 – 14 horas – Desfile de Modas – Associação dos Servidores. Dias 21 e 22/09 – Das 9h às 12h – Torneio de Vôlei Adaptado – Parque Murilio Biagi. Dia 23/09 – 14 horas – Visita ao Lar dos Vicentinos. Dia 25/09 – 14 horas – Workshop de Dança – Centro Cultural Palace. Dia 26/09 – 14 horas – Visita ao Lar Santa Rita. Dia 27/09 – das 8h às 17h – Dia de Lazer, Ação Social e Baile no Palestra Itália. Dia 29/09 – das 8h às 12h – Caminhada da 3ª Idade – Concentração às 8h, na Esplanada do Theatro Pedro II, e às 8h30 saída para o Parque Maurilio Biagi. Dia 30/09 – 14 horas – Visita à Casa do Vovô. Dia 01/10 – 14 horas – Baile do Miss e Mister 3ª Idade – Palestra Itália e Premiação do Concurso de Poesia Departamento de Proteção Social Básica. Dia 16/9 – das 13h às 17h – Início do “Torneio da Amizade” – Núcleo da Terceira Idade. Dia 17/09 – das 13h às 17h – “Abertura Oficial da Semana” – Núcleo da Terceira Idade. Dia 18/09 – das 13h às 17h – “Tarde de Integração” – Núcleo da Terceira Idade – Recepção das crianças do Núcleo da Criança e do Adolescente pelos idosos, lanche da tarde e baile. Dia 19/09 – das 13h às 17h – “Torneio da Amizade” – Núcleo da Terceira Idade. Dia 20/09 – das 13h às 17h – Encerramento com o Baile do Conselho Gestor – “Baile da Primavera” – Núcleo da Terceira Idade. De 23 a 27 de setembro – Semana da viagem para Águas de São Pedro, com idosos que participam do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos da Secretaria Municipal de Assistência Social. Dia 01/10 – Dia Internacional do Idoso – a partir das 8 horas: integração entre os idosos que participam do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos, do Núcleo da Terceira Idade, e dos CRAS e PSBs, da Secretaria Municipal da Assistência Social – Parque Maurílio Biagi.

terça-feira, 10 de setembro de 2013

André participa de Inauguração de área administrativa na Fazenda da Barra

O Vereador André Luiz (PCdoB) participou da inauguração da área administrativa do Programa de Saúde da Família instalada na Fazenda da Barra e que auxiliará nas rotinas do PSF. O espaço recebeu a denominação de Luis Carlos Raya em homenagem ao ex-secretário municipal da saúde e um dos maiores incentivadores tanto da reforma agrária como das diversas questões sociais. André recordou dos tempos em que trabalhou ao lado de Raya e do respeito e admiração que todos guardam por ele. Rendeu homenagens aos trabalhadores rurais, em especial às mulheres e destacou a importância da reforma agrária, da socialização da terra e do investimento na justiça social. Disse que que a assistência na saúde joga importante papel neste processo. Também registrou a dedicação do profissionais da secretaria municipal da saúde, ressaltando que a comunidade conta com uma equipe que se destaca pela competência e pelo comprometimento com o SUS. O vereador também lembrou de sua luta ao lado da agente comunitária Madalena pelo reconhecimento profissional do agentes comunitários de saúde. Disse, finalmente que no local já foram realizados grandes avanços e que a Câmara Municipal está à disposição para lutar pela viabilização de outros pleitos. André Luiz também visitou o futuro memorial e a padaria que estão sendo construídos no assentamento e dialogou com a comunidade, oportunidade em que recebeu solicitações que serão encaminhadas junto ao poder e
xecutivo.

quarta-feira, 4 de setembro de 2013

1ª Conferência Estadual de Educação para as Relações Étnico-Raciais

Foi realizada na última semana a Etapa Polo de Ribeirão da 1ª Conferência Estadual de Educação para as Relações Étnico-Raciais - 10 anos da Lei 10.639/2003, na oportunidade foram realizadas apresentações dos trabalhos desenvolvidos por professores e especialistas junto aos alunos da rede pública estadual. A experiência compartilhada por unidades escolares de Jaboticabal, Monte Alto e Franca, entre outras, demonstram que independente do tamanho ou do poderio econômico municipal, o que vale mesmo é o envolvimento e boa vontade de educadores e gestores. “A dedicação e empenho demonstrados serviram como injeção de ânimo para todos e aponta que estamos no caminho certo”. Esta foi uma das observações feitas pelo vereador André Luiz (PCdoB) que participou do evento. O parlamentar lembrou, ainda, que “a educação liberta, transforma, inclue e possibilita. Abordar com coragem e qualidade as diversas questões e conteúdos étnico-racias é sem dúvida alguma um dos maiores investimentos que os governos devem realizar”. Os profissionais da educação de todas as disciplinas estão sendo convocados a participar de modo mais efetivo da mobilização. Se omitir seria o mesmo que incentivar a manutenção do país desigual que experimentamos por aqui e por todo planeta. Também participaram do evento a dirigente regional de ensino Simone Maria Locca e o vereador Professor João Bosco Marques (Bosquinho) de Batatais.

domingo, 1 de setembro de 2013

Artigo Jornal Tribuna - 01.09.2013


Educação para as Relações Étnico-raciais

Nelson Mandela nos ensinou que “Ninguém nasce odiando outra pessoa pela cor de sua pele, por sua origem ou ainda por sua religião. Para odiar, as pessoas precisam aprender, e se podem aprender a odiar, podem ser ensinadas a amar.” A frase é bonita e parece simples, mas não é bem assim. Para aprender é necessário a existência de quem saiba ensinar. Qualificar profissionais da educação para a implementação de políticas públicas de combate ao preconceito, discriminação e racismo tem sido um dos maiores desafios dos últimos anos e agora surgem os primeiros frutos.
Durante a Etapa Polo de Ribeirão da 1ª Conferência Estadual de Educação para as Relações Étnico-Raciais - 10 anos da Lei 10.639/2003, foram realizadas apresentações dos trabalhos desenvolvidos por professores e especialistas de todos os municípios. A experiência compartilhada por unidades escolares de Jaboticabal, Monte Alto e Franca, entre outras, demonstram que independente do tamanho ou do poderio econômico municipal, o que vale mesmo é o envolvimento e boa vontade de educadores e gestores. A dedicação e empenho demonstrados serviram como injeção de ânimo para todos e aponta que estamos no caminho certo.
Para que o desafio de Mandela se torne realidade, todos os educadores devem envidar esforços para a construção de uma política educacional fundamentada na diversidade, grande exercício democrático. Reconhecer a diversidade e situá-la no contexto político, cultural e histórico nos ajudará a melhor trabalhar o desenvolvimento sócio-econômico.
Neste mundo novo, nesta sociedade nova, todos devem possuir direito e condições de acesso a aprendizagem e ao conhecimento nos mais variados níveis de educação e para tanto a luta para redução das desigualdades econômicas e das injustiças sociais, raciais, de orientação e de gênero precisa estar na ordem do dia.
Mandela chamou o período de apartheid de “extraordinário desastre humano” de onde deveria nascer uma sociedade da qual toda a humanidade se orgulhará. Ele destacou o importante papel desempenhado pelo povo e, especialmente, pelas lideranças democráticas políticas, religiosas, da juventude, do movimento de mulheres e de diversos setores profissionais.
Depois de tantos anos no exílio, ele estipulou que sua posse seria o marco do tempo de iniciar a cura das feridas, a transposição dos abismos e o momento de construir. Para tanto todos deveriam se comprometer a jamais manter um semelhante no terrível cativeiro da pobreza, do sofrimento, da discriminação sexual, das privações e de quaisquer outras. Suas palavras estão presentes em cartazes, em repartições públicas ou em postagens da internet, mas parece que passados quase trinta anos, ainda, não ecoaram nos corações de milhões de pessoas.

A educação liberta, transforma, inclue e possibilita. Abordar com coragem e qualidade as diversas questões e conteúdos étnico-racias é sem dúvida alguma um dos maiores investimentos que os governos devem realizar. Os profissionais da educação de todas as disciplinas estão sendo convocados a participar desta mobilização, se omitir seria o mesmo que incentivar a manutenção do país desigual que experimentamos por aqui e por todo planeta.