Quem sou eu

Minha foto
advogado, sindicalista, locutor...

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

Vereador André participou do encontro com o embaixador da Costa do Marfim

O vereador André participou do encontro com o embaixador da Costa do Marfim Sylvestre Aka, na manhã de quinta-feira (27/02). Localizada no Oeste da África, com uma população estimada em mais de 16 milhões de habitantes, o país busca parcerias empresarias para fomentar o desenvolvimento econômico, após a região passar por guerra civil. Participaram do encontro a prefeita municipal e representantes de entidades ligadas ao setor, como ACI, Fiesp e a Câmara Brasil – África. André lembrou que além dos laços culturais e históricos que unem Brasil e os países Africanos, nossa região possui capacidade técnica para atender às necessidades da Costa do Marfim. “O fomento econômico é um dos itens fundamentais para a cooperação entre os povos”, destacou o vereador.

Adicionar legenda

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

Vereador André discute obras com Secretário da Saúde



O vereador André Luiz participou de uma reunião com o Secretário da Saúde, Stênio Miranda e sua assistente Darlene Pires Mestriner, na manhã desta quarta-feira(26/02). O vereador que presidente a Comissão Permanente de Administração, Planejamento, Obras e Serviços Públicos da Câmara Municipal de Ribeirão Preto buscou informações atualizadas sobre as obras de construções e reformas de Unidades de Saúde. Os profissionais da saúde apresentaram detalhes sobre o CSE da Vila Lobato que deve ser entregue no próximo mês. A reforma da UBS Santa Cruz, muito aguarda pela comunidade se encontra em fase final. Quanto à Unidade do Jardim Marchesi, novo edital será publicado em breve para a retomada da obra. Segundo informações a região do Jamil Cury e Paulo Gomes Romeu receberá até o final de abril mais duas unidades. André também se informou sobre as Unidades de Pronto Atendimento do Quintino Facci II e da Vila Virgínia e da transformação em UPA´s do CSE Sumarezinho e da UBDS Central. André destacou a importância da implementação de mecanismos, nos processos de construção de Unidades de Saúde, que garantam maior agilidade na entrega aliado a melhor qualidades das obras.

domingo, 23 de fevereiro de 2014

ARTIGO JORNAL TRIBUNA 23.02.2014

Está faltando amor!


Nos últimos tempos o brasileiro adotou o hábito de carregar a bandeira nacional. Seja em eventos esportivos ou manifestações políticas, nosso pavilhão destaca-se pelas cores, beleza geométrica, estrelas e pela frase: "Ordem e Progresso", lema nacional da República Federativa do Brasil. Segundo os historiadores, ela é uma adaptação do lema político do positivismo criado pelo francês Auguste Comte: “L'amour pour principe et l'ordre pour base; le progrès pour but”, traduzindo: "O Amor por princípio a Ordem por base; o Progresso por fim". Falando em bandeira, tramita no Congresso Nacional um projeto de lei para resgatar a frase original, porém existe a resistência de alguns parlamentares defendendo que na bandeira deveriam constar outras palavras como educação, honestidade, decência, trabalho ou organização. Mas, voltando ao amor, esta talvez seja uma das palavras mais ditas em todo mundo, especialmente por aqui. Tema de novelas, canções e poesias, o amor é muito falado e pouco praticado. Não falo apenas do amor positivista, tão pouco do amor atração, apetite, paixão, desejo ou libido. Muito menos do amor difundido pela ditadura instalada a partir do Golpe Militar de 1964 através do slogan: "Brasil, ame-o ou deixe-o" ou do estadunidense: “Faça amor, não faça guerra”. Falo do amor afeição, compaixão, misericórdia. Do amor caridade ensinado por Paulo aos Coríntios e a todos nós, replicado por Camões e adaptado por Renato Russo. Aquele amor sofredor e benigno que afasta a inveja, a vanglória e a soberba. Amor que renuncia ao próprio interesse, não se irrita, mas não compactua com a injustiça. Amor que crê, espera e suporta. Amor capaz de superar línguas, ciências, religiões, poder econômico ou político. Amor Cidadão! Amor comprometido com as causas ambientais e sociais. Do amor que pratica cordialidade no trânsito, generosidade nas filas. Amor que enfrenta as práticas de racismo, preconceito e discriminação. Que se preocupa com a acessibilidade. Que respeita e valoriza o patrimônio histórico, a diversidade racial, cultural e religiosa que foram fundamentais para a constituição do povo brasileiro. Imagine uma sociedade onde cada profissional atua dentro de sua área de conhecimento e da economia utilizando esse princípio de amor. Como seriam os atendimentos no setor de saúde se o princípio de amor fosse aplicado? E na educação? Imagine um judiciário e uma polícia mais amável. Se o princípio do amor regesse o legislativo ao criar leis e o executivo ao implementar políticas públicas, certamente não encontraríamos tantas desigualdades sociais, tanta exploração, tanta miséria. Quem ama não constrói edifícios com areia da praia, não coloca solvente no combustível, não adultera o leite que será consumido por milhares de pessoas. Quem ama não destrói recursos naturais, muito menos patrimônios históricos. Em um tempo onde se discute redução da maioridade penal, aplicação da pena de morte e não se ataca as reais causas da violência, encontramos uma sociedade carente e perdida. O consumismo amplia-se, os templos estão lotados, os livros de autoajuda são best sellers e a humanidade procura desesperadamente formas de encontrar a felicidade. Talvez tardiamente perceberemos o óbvio: está faltando amor!

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

André participa de Seminário da Polícia Civil

Ribeirão Preto sediou o III SEMINÁRIO “EXERCÍCIOS DE CIDADANIA”. O evento aconteceu no Auditório Meira Júnior, do Theatro Pedro II e contou com policiais civis e guardas municipais de vários municípios. Entre os palestrantes a professora Elisa Lucas Rodrigues, a doutora Cristiane Pereira e o doutor José Eduardo Malheiros Jr que abordaram o tema: “A POLÍCIA CIVIL E AS QUESTÕES ÉTNICO RACIAIS”. O vereador André Luiz da Silva que preside a Comissão Permanente de Direitos da Igualdade Racial participou da atividade e destacou a importância da Polícia Civil e demais forças de segurança capacitarem seus profissionais para a garantia dos direitos das pessoas vitimadas diariamente por crimes de racismo, preconce
ito e discriminação. O delegado Tabajara Novazzi Pinto, diretor da Academia de Polícia enfatizou a necessidade de protagonismo da polícia paulista em suas prerrogativas, especialmente na defesa do direito e da cidadania.

domingo, 16 de fevereiro de 2014

ARTIGO JORNAL TRIBUNA 16.02.2014

A lei

Após a lamentável morte do cinegrafista da Rede Bandeirantes, várias sugestões para a alteração da legislação tem sido apresentada como solução para a onda de violência durante manifestações. Uma delas é a urgência na tramitação do projeto de lei nº 499/2013 da Comissão Mista do Congresso para a Consolidação da Legislação Federal e Regulamentação de Dispositivos da Constituição Federal que institui e tipifica o crime de terrorismo no Brasil.
O Estatuto da Criança e do Adolescente surgiu em uma época de altos índices de pobreza e desigualdade social e tentava garantir educação, saúde, convivência familiar, proteção no trabalho e dignidade para uma importante parcela da população, mas lamentavelmente, foi distorcido e passa a imagem de que apenas serve para incentivar a criminalidade infantojuvenil.
Para impor limites e controle nos gastos públicos foi criada a Lei de Responsabilidade Fiscal que, comumente é utilizada por alguns gestores, para tentar suprimir direitos dos trabalhadores.
Nos momentos atuais devemos substituir a histeria pela análise serena e consciente dos fatos. Após o devido processo legal e comprovada a existência de um crime, deve existir a devida punição, mas isso é pouco. Tão importante quanto a punição de culpados é a compreensão dos motivadores. Temos que encontrar uma resposta ao fato de que nossos jovens estão nas ruas apresentando várias reivindicações legítimas e também levantando bandeiras que sequer conhecem. A onda de violência que assola o país é patrocinada? Quais os interesses que levam um simples e pacato jovem a se transformar em um cruel assassino?


segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

André visita 1ª Residência Inclusiva de Ribeirão Preto

O vereador André visitou na manhã desta sexta-feira, dia 31, a 1ª Residência Inclusiva da cidade e conheceu o serviço  destinado ao atendimento para pessoas com deficiências e sem retaguarda familiar. A Secretaria de Assistência Social celebrou parceria com a Ong Corassol que operacionalizará os atendimentos. O vereador acompanhou a assinatura do Termo de Cooperação Financeira no valor de R$ 200.000,00 onde são partes a Prefeitura Municipal, Corassol e a Fundação Waldemar Barnsley Pessoa para implantação da 2ª Residência Inclusiva. As residências funcionarão 24 horas, com capacidade para atender 10 pessoas com deficiência cada, em situação de dependência, prioritariamente aqueles atendidos pelo Benefício de Prestação Continuada – BPC, que não dispõem de condições de autossustentabilidade ou de retaguarda familiar, ou que estejam em processo de desinstitucionalização de instituições de longa permanência. Uma equipe multidisciplinar realizará o acompanhamento dos alojados. Em sua manifestação André destacou a importância da união de esforços entre o poder público, iniciativa privada e terceiro setor para a busca de soluções aos graves problemas sociais e de saúde.

domingo, 9 de fevereiro de 2014

ARTIGO PUBLICADO NO JORNAL TRIBUNA NA DATA DE 09/02/2014


A Copa já começou

Apesar das várias críticas e questionamentos sobre a pertinência da realização do evento e da necessidade de apurar e punir eventuais desvios ocorridos no processo de preparação e construção dos estádios e obras de infraestrutura, certamente a Copa do Mundo é um dos maiores eventos do planeta e desperta o interesse de quase todos os povos e nações. Para a região de Ribeirão Preto a Copa do Mundo já começou há muito tempo. O primeiro desafio foi ser credenciada como subsede, depois foi ser aceita pela FIFA que credenciou dois centros de treinamentos locais, então veio a sensibilização das seleções e a escolha francesa. Agora, entramos em uma fase importante que é preparar todo o receptivo. A preparação da rede hoteleira, do comércio, dos serviços públicos, enfim, um extenso rol de itens que uma vez contemplados atrairão um volume, ainda, maior de turistas. A Copa por si já é um grande atrativo, mas podemos agregar muitos outros motivadores, realizar grandes e diversos eventos, fomentar o mercado de souvenirs e produtos do artesanato local. Ao chegar a Ribeirão Preto, os turistas de todo o mundo terão a oportunidade de conhecer tudo o que temos para oferecer em beleza natural, arquitetônica, histórica, tecnológica e cultural, mas também poderá mergulhar nos atrativos regionais. Se toda região unir-se por meio de uma mobilização equilibrada e organizada, além do natural fortalecimento dos laços de amizade entre o povo francês e brasileiro, podemos avançar muito mais em vínculos que se manterão durante muitos anos, podendo destacar a possibilidade de realização de acordos e programas de ação com o fim de fomentar o mais amplo conhecimento recíproco, para fundamentar os intercâmbios sociais, esportivos, culturais e econômicos, em especial os relativos à organização, administração e gestão urbana. A presença de inúmeros estrangeiros promoverá a troca de informações e a difusão em ambas as comunidades das obras culturais, turísticas, desportivas, políticas e sociais. Os mais variados campos da sociedade poderão estabelecer programas e projetos comuns através de convênios específicos. Os setores de importação e exportação terão facilidade de celebrar contratos e programas de cooperação técnica. Até mesmo quando falamos de raízes étnicas, folclóricas e musicais podemos pensar em acordos bilaterais. No mundo do saber é possível o incremento do intercâmbio estudantil entre as escolas locais, com a instituição de prêmios aos melhores alunos, promoção de viagens de estudos, de turismo popular e a criação de comitês de apoio formados por pais e professores. Nossa geração provavelmente não vivenciará outro evento de tamanha magnitude, não podemos desperdiçar esta oportunidade de garantir um grande legado.


quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

André participa da inauguração de Centro de Convivência

Nesta quinta-feira, 30 de janeiro, o vereador André participou da inauguração do Centro “Rosa Gileno Tácio”, na rua Edgard Cajado, 400, Campos Elíseos. Trata-se de um Ceci (Centro de Convivência do Idoso). André conheceu o prédio que possui espaços de convivência, sala de TV , quartos e área de lazer para os idosos e contará com uma equipe multidisciplinar com coordenador, psicólogo, assistente social, educadores, enfermeira, cozinheira, nutricionista, serviços gerais e vigilantes. O equipamento funcionará de segunda à sexta-feira, das 8h às 18h e inicialmente atenderá 20 idosos. Durante sua atuação parlamentar o vereador André apresentou indicação e emendas ao orçamento visando a criação deste tipo de equipamento que serve para auxiliar as famílias a manterem os vínculos com seus idosos que poderão permanecer em casa à noite e aos finais de semana.

terça-feira, 4 de fevereiro de 2014

André quer mais qualidade no DAERP


Durante toda a terça-feira o vereador André participou das tratativas entre Sindicato dos Servidores Municipais e Administração para a solução da paralisação dos servidores do DAERP Pernambuco. O vereador dialogou com os trabalhadores que apresentaram um rol de solicitações e formularam denúncias sobre o sucateamento da autarquia. A situação chegou ao ponto de servidores serem ameaçados por parte da população insatisfeita com a falta de água na cidade. Foi realizada reunião com a diretoria e assembleia com os trabalhadores. André enfatizou a importância do DAERP ganhar agilidade e qualidade no atendimento às necessidades de água e esgoto da população e para isso é fundamental a valorização dos servidores através do aumento de investimentos em condições de trabalho, materiais e equipamentos. A superintendência garantia a aquisição urgente de mais bombas de água, matérias de manutenção e a ampliação do diálogo com os trabalhadores

domingo, 2 de fevereiro de 2014

ARTIGO JORNAL TRIBUNA NA DATA DE 02/01/2014

O caminho pode ser suave

Minha geração estudou pela famosa Cartilha Caminho Suave, idealizada por Branca Alves de Lima que utilizava o método de alfabetização por imagem. Além da cartilha existiam carimbos, baralhos e outras ferramentas de apoio que nos levavam ao maravilhoso mundo do conhecimento. Os mais jovens devem trazer agradáveis lembranças da Cartilha da Mimi. Naquele tempo, os abnegados professores utilizavam o quadro negro, o giz, as cópias mimeografadas em papel sulfite e principalmente a voz. Falando em voz, até hoje ecoam em meus ouvidos alguns ensinamentos sobre literatura, ciências, estudos sociais e geografia entre outros. As aulas de educação física, os campeonatos internos, os jograis, a fila da sopa e as comemorações cívicas eram momentos que também merecem destaque. Para nós a escola era o templo do saber e os professores eram figuras que mereciam todo respeito e consideração. Havia uma crítica quanto ao excesso de regras e para muitos a escola era muito dura. Passou o tempo e hoje se reclama que a escola está muito “frouxa”. O ensino não foi priorizado pelos governos e pela própria população e a figura do professor foi desvalorizada. Uma das consequências é que recente relatório da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) aponta que o Brasil aparece em 8° lugar entre os países com maior número de analfabetos adultos. De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), feita pelo IBGE em 2012, a taxa de analfabetismo de pessoas de 15 anos ou mais foi estimada em 8,7%, o que corresponde a 13,2 milhões de analfabetos no país. Somente nos últimos anos a educação voltou à ordem do dia e investimentos mais vigorosos começam a ser feitos. A destinação de royalties do petróleo e a elevação dos gastos com ensino para 10% do PIB, como prevê o projeto do Plano Nacional de Educação (PNE) apontam para um novo tempo. O cuidado maior com a educação infantil e anos iniciais e a ampliação do acesso à universidade através das políticas públicas como Enem, Sisu, Fies, ProUni, Cotas ampliam nossas esperanças em um futuro melhor. Ocorre que estamos diante de um grande desafio na rede de ensino, especialmente na pública que é afastar as drogas e a violência da porta e do interior das escolas. Formar, atualizar e remunerar dignamente os professores é outro desafio. Somente educadores preparados podem motivar os alunos integrantes da  “Geração Z”  com sua obstinação pela internet, seu desejo desenfreado de compartilhar arquivos e fatos do cotidiano através de seus telefones móveis, MP3 players e toda parafernalha eletrônica. As diferentes esferas da administração pública precisam garantir aos nossos mestres a possibilidade de utilização da tecnologia na educação não somente com ferramentas digitais, mas também com recursos audiovisuais diversos de fomento tanto do ensino como de pesquisa histórica. Vale registrar que as famosas e volumosas enciclopédias hoje cabem na palma da mão. A geração da informação precisa de um cuidado apurado para que tenha formação. Enquanto, alguns municípios utilizam lousas digitais e os alunos utilizam tablets, em outras faltam cadeiras. Devemos garantir educação gratuita e obrigatória dos quatro aos dezessete anos de idade. Ampliar o acesso e sequência nos estudos dos jovens a partir dos 18 anos, além de ampliar as graduações e pós-graduações. Com educação de qualidade o caminho para a construção de uma nação justa e soberana certamente será mais suave.