Quem sou eu

Minha foto
advogado, sindicalista, locutor...

domingo, 9 de fevereiro de 2014

ARTIGO PUBLICADO NO JORNAL TRIBUNA NA DATA DE 09/02/2014


A Copa já começou

Apesar das várias críticas e questionamentos sobre a pertinência da realização do evento e da necessidade de apurar e punir eventuais desvios ocorridos no processo de preparação e construção dos estádios e obras de infraestrutura, certamente a Copa do Mundo é um dos maiores eventos do planeta e desperta o interesse de quase todos os povos e nações. Para a região de Ribeirão Preto a Copa do Mundo já começou há muito tempo. O primeiro desafio foi ser credenciada como subsede, depois foi ser aceita pela FIFA que credenciou dois centros de treinamentos locais, então veio a sensibilização das seleções e a escolha francesa. Agora, entramos em uma fase importante que é preparar todo o receptivo. A preparação da rede hoteleira, do comércio, dos serviços públicos, enfim, um extenso rol de itens que uma vez contemplados atrairão um volume, ainda, maior de turistas. A Copa por si já é um grande atrativo, mas podemos agregar muitos outros motivadores, realizar grandes e diversos eventos, fomentar o mercado de souvenirs e produtos do artesanato local. Ao chegar a Ribeirão Preto, os turistas de todo o mundo terão a oportunidade de conhecer tudo o que temos para oferecer em beleza natural, arquitetônica, histórica, tecnológica e cultural, mas também poderá mergulhar nos atrativos regionais. Se toda região unir-se por meio de uma mobilização equilibrada e organizada, além do natural fortalecimento dos laços de amizade entre o povo francês e brasileiro, podemos avançar muito mais em vínculos que se manterão durante muitos anos, podendo destacar a possibilidade de realização de acordos e programas de ação com o fim de fomentar o mais amplo conhecimento recíproco, para fundamentar os intercâmbios sociais, esportivos, culturais e econômicos, em especial os relativos à organização, administração e gestão urbana. A presença de inúmeros estrangeiros promoverá a troca de informações e a difusão em ambas as comunidades das obras culturais, turísticas, desportivas, políticas e sociais. Os mais variados campos da sociedade poderão estabelecer programas e projetos comuns através de convênios específicos. Os setores de importação e exportação terão facilidade de celebrar contratos e programas de cooperação técnica. Até mesmo quando falamos de raízes étnicas, folclóricas e musicais podemos pensar em acordos bilaterais. No mundo do saber é possível o incremento do intercâmbio estudantil entre as escolas locais, com a instituição de prêmios aos melhores alunos, promoção de viagens de estudos, de turismo popular e a criação de comitês de apoio formados por pais e professores. Nossa geração provavelmente não vivenciará outro evento de tamanha magnitude, não podemos desperdiçar esta oportunidade de garantir um grande legado.