Quem sou eu

Minha foto
advogado, sindicalista, locutor...

domingo, 2 de março de 2014

ARTIGO JORNAL TRIBUNA 02.03.2014

Cidadania Padrão FIFA
A Copa do Mundo virou pretexto para quase todo tipo de protesto ou insatisfação popular. Ficou comum observar faixas e cartazes pedindo que a educação, a saúde e a segurança sejam “Padrão FIFA”. Os investimentos para modernização dos estádios, agora chamados de arenas, são questionados e muitos entendem que deveriam ser revertidos em outros itens de maior utilidade social. Enquanto isso, os escrachadores de plantão já fazem anedotas sobre mulheres clamando por um Marido Padrão FIFA: aquele romântico, atencioso, que ajuda nos afazeres domésticos, não suja o banheiro, não ronca e não tem mau hálito. Os homens respondem com piadas sobre a dificuldade em encontrar mulheres e sogras com o mesmo padrão. Superando as brincadeiras, observamos que grande parte do povo brasileiro não visualizou o legado de um evento desta magnitude, especialmente para a construção civil, acessibilidade, urbanismo, turismo, exposição de imagem das cidades, arranjos e incrementos econômicos durante e após a Copa, que movimentarão bilhões de reais. Muitos que empunham cartazes ou compartilham frases de efeito pela internet, ignoram que a FIFA realmente possui um Programa de Qualidade, só que objetivando oferecer um padrão industrial reconhecido internacionalmente e confiável, em áreas importantes para os jogadores de futebol, especialmente equipamentos, superfícies, tecnologia e serviços. Uma das metas é o aprimoramento das condições do jogo, com proteção aos jogadores, clubes e associações. Também, utilizam a tecnologia para aprimorar segurança, desempenho, durabilidade e conforto tanto dos produtos esportivos, quanto das arenas. Ética e responsabilidade social são requisitos básicos para os produtos que desejam receber o selo de Qualidade FIFA. No mundo corporativo, as empresas de sucesso empenham-se em envolver  todos os seus colaboradores  para que conheçam e pratiquem sua missão,  visão e valores.  A missão é o detalhamento da razão de ser, ou seja, é o porquê da empresa. É na missão que se destaca o que produzir, a previsão de conquistas futuras e como alcançar o reconhecimento do cliente. A visão é o norteamento da organização, é o acumulado de convicções que direcionam sua trajetória. Os valores formam as convicções que fundamentam as escolhas do modo de conduta dos indivíduos ou organizações. Uma grande montadora  que desejava garantir valor e sustentabilidade ao negócio definiu a missão de desenvolver, produzir e comercializar carros e serviços que as pessoas prefiram comprar e tenham orgulho de possuir. Como visão definiu estar entre as principais marcas do mercado e se tornar  referência de excelência em produtos e serviços. Para tanto, elencou entre seus valores a satisfação do cliente, valorização e respeito às pessoas, atuação como parte do grupo, respeito ao meio ambiente e responsabilidade social. Utilizando esta técnica no atual cenário nacional, podemos perceber que ao transformar um megaevento, que poderia ser a solução, em mais um problema, muitas pessoas conscientes ou não, trabalham para a desestruturação de um país que possui várias condições de se firmar como grande nação e um dos maiores protagonistas no cenário internacional. Os interesses e razões são vários e talvez estejam faltando brasileiros conscientes da missão, visão e valores do país. Ouso dizer, que neste maravilhoso exercício democrático, está faltando mesmo é Cidadania Padrão FIFA.